CIRURGIA MINIMAMENTE INVASIVA

A cirurgia minimamente invasiva tem como objetivo a máxima preservação da anatomia com a mínima agressão ao organismo, mas suficiente e adequada para resolver o problema. As técnicas mais utilizadas para esse tipo de abordagem em nossa área de atuação são videolaparoscopia (ou cirurgia laparoscópica) e cirurgia por endoscopia digestiva. Cirurgiões já podem abordar com segurança e precisão quase todas as partes do corpo humano utilizando bisturis ultrassônicos e sistemas de vídeo de alta definição. A cirurgia robótica, microlaparoscopia, e NOTES (do inglês “Natural Oriffice Transluminal Endoscopic Surgery”), também são técnicas de cirurgia minimamente invasiva e recentemente vêm tendo aumento importante do escopo de utilização.  Os vários benefícios são: menos dor pós-operatória, permanência hospitalar mais curta, rápido retorno às atividades habituais, melhor resultado estético, redução significativa de custos globais, especialmente se considerado o período de afastamento das atividades laborativas, e menor índice de infecções.  Atualmente são exceções as indicações para cirurgias abertas. Transplantes, algumas cirurgias de urgência e alguns casos de câncer podem necessitar de incisões grandes no abdome.